sexta-feira, 18 de setembro de 2009

"Júnior", O Recalcitrante III

De Spencer a macacos flutuando



Antes de voltar a esmagar "Júnior", o argumento de Spencer, muito bem tratado em Progress: Its Law and Cause, adaptado e acrescido há alguns anos pelo idiota que vos escreve.

Se todas as espécies que hoje vemos, e todas as que indiscutivelmente descobrimos que já existiram, somadas as que já existiram e ainda ou jamais descobriremos existissem simultaneamente em populações mínimas, cobririam a Terra com fauna e flora insustentável, logo, existiram separadamente no tempo e portanto, se não evoluiram uma das outras, surgiram por milagre de organização a partir do mineral, o que mostra-se absurdo, logo, evidentemente, evoluiram umas das outras, modificando-se no tempo, a partir de um ou mais tipos iniciais.

Embora seja um exemplo de positivismo lógico, aqui muito do que seja o básico da evolução dos seres vivos já mostra-se até óbvio, e não pode mais ser negado, tanto que os criacionistas mais moderados criaram (notemos a ironia) a figura de tipos básicos, ou "baramins", e portanto, aceitam que evolução ocorre.

Mais uma vez sejamos honestos: meu artigo sobre argumentação básica sobre evolução no Knol é apenas a expansão do argumento de Spencer.

Nada se cria, menos no falaciar dos crias.

O que lhes resta é espernear por aristotelismos classificatórios entre uma fronteira que não existe, do que seja macro e microevolução.

Somando, como coisa que as microevoluções de um mamífero como o Eomaia scansoria não pudesse acumuladas produzir os poderosos elefantes e também determinado macaco teimoso que em alguns grupos e indivíduos insiste em afirmar que não pode ser a modificação de um Eomaia ou animal similar, e tem de ser fruto de um supremo mandatário do universo, frente ao qual presta sacrifícios (ou donativos, que seja, normalmente apenas para representantes terrenos).



Eomaia - darwiniana.org

Voltemos ao nosso exemplar deste tipo teimoso de Eomaia modificado.

Lembrando-nos:

"Júnior":

-Então responda: Qual a probabilidade de uma briófita nascer em
uma ilha? (6)

-Tá bom, se você quiser ficar acreditando nessa sandice
pode ficar, coisas como:

- Macacos cruzando oceanos em vegetação flutuante (7)

- Estrutura de informação (DNA) surgindo em menos de um bilhão de anos e permanecendo
igual em todos os seres depois de 3 bilhões de anos; não importa se é cíclico ou não,
se tem mais cromossomos ou menos, por acaso a vida fixa? (8)

- Elementos químicos compondo estruturas muito complexas; não importa se existe atração química, esse fator não altera a virtual improbabilidade disso uma vez que o mesmo fator pode tanto um vez atrair um componente adequado e trilhões de vezes um inadequado.(9)

- Sem falar no cruzeiro de mais de 4 meses no pacífico da iguana ...(9)

- Sobre a complexidade irredutível - Se alguém encontrar um arco de pedras na natureza com
o mesmo raio em comum e com distâncias iguais entre elas, eu pago todas as contas do
cara no mês e mais 500 reais pra completar. (10)

Minhas respostas:

(6) Impressionante como criacionistas adoram dar tiros no próprio pé.

Exatamente estas pequenas probabilidades de viagens e surgimentos é que fulminam (sem falar de outros diversos argumentos) o dilúvio bíblico. mas façamos de conta que este seja um exótico criacionista bíblico, que afirma a criação bíblica, ou qualquer outra, mas esquece ou rejeita o dilúvio.

Se é improvável uma planta nascer em uma ilha, mais improvável ainda seria nascer num continente, pois ao que parece, antes de haver plantas, igualmente tiveram, mesmo na abordagem criacionista, de surgir "do nada" em toda a terra (e Terra).

Por outro lado, ao migrarem pelos continentes, ao espalharem suas populações, ao "navegarem" as massas de Terra, ao derivarem (lindo isso, não?) os continentes, ao emergirem e subergirem massas de terra, ao ligarem-se e desligarem-se ilhas, mais e mais migraram plantas e populações de plantas, e junto outros organismos, e exatamente como afirma-se, modificaram-se e diversificaram-se no tempo.

Não precisamos dizer que verbo ou que conceito implica a frase anterior não?

(7) Macacos não atravessam oceanos, embora sejamos macacos que atravessaram oceanos, e desde tempos pré-bíblicos. Aliás, porque para lêmures andarem de ilha em ilha e ocuparem todas as ilhas do mundo, inclusive aquelas que em novos aristotelismos classificatórios chamamos de continentes, basta percorrer alguns quilômetros, no máximo, cruzando mares, e nem sempre assim se deu, com as inúmeras formas de vida, pois ao que parece, jamais houveram poderosas "aves assassinas" da América do Sul na Austrália, assim como jamais houveram "leões marsupiais" na América do Sul, ou megatérios na Europa, mas cada caso é um caso, e mesmo se aqui escrevi alguma paleontológica besteira, o argumento se sustenta.



Editado de forum.przyroda.org



Editado de www.avph.com.br

Espécies migram, e flutuam em vegetais, e se multiplicam e ocupam, assim como se multiplicaram, ocuparam e diversificaram o mundo, em diferentes faunas e floras específicas, e em tempos diversos.

Só como exemplo, na América do Norte do Jurássico, os saurópodes reinaram como os maiores herbívoros da Terra, como o braquiossauro , mas no Cretáceo se extinguiram. Já na América do Sul, formas similares perpetuaram-se até o Cretáceo. Já na África de então, formas ainda mais exóticas estiveram presentes, de maneira exatamente igual a que cavalos ocuparam a América antes dos humanos, assim como elefantes (por favor: sim, equinos e probocídeos, não sejamos preciosistas e chatos!). Depois, só existiam na Ásia, África e Europa, em outras variações.



Nigersaurus - Editado de fascinatingly.com e www-news.uchicago.edu

E notemos que desde a separação da Pangéia, uma continuidade entre os continentes não tem lhufas a ver com a questão (como coisa que só a fusão da Pangéia tenha existido no passado da Geologia, para desespero de meus amigos do ramo).

Mas sobre estes ARGHumentos anteriores, nem abordamos questões relacionadas não a dominante no tempo migração dos continentes, mas sim, à simples erosão e deposição de sedimentos, onde enseadas fecham, estreitos se formam, ilhas se unem, praias avançam (um exemplo é Pisa, porto dos tempos bíblicos e romanos e hoje distante do mar), mares baixam nas glaciações, continentes até se unem pela baixa dos oceanos, o que eram leitos marinhos passam a ser planícies verdejantes onde animais pastam, e fenômenos similares em inúmeras variações.

Logo, as massas de terra e os mares e outras massas d'água não são sempre na disposição que hoje vemos. Logo, espécies migram, podem os criacionistas espernear até a morte, ou, inclusive, derrubar de vez as afirmações dos defensores do dilúvio universal, ficaremos felizes.

(8) Sei que sou prolixo. Sei que sou "bifurcante". Sei que abordo as questões de maneira muitas vezes, com controle de uma "dispersão", de maneira caótica. Mas criacionistas e outros pseudos possuem a imensa capacidade de serem quase impossíveis de serem entendidos, mesmo em frases simples.

Mas tentemos...

Notemos que após a etapa de intensas colisões na formação da Terra, a vida se formou aproximadamente aos 3,8 a 3,7 bilhões de anos atrás, o que com grosseiros 4,5 a 4,6 bilhões de anos de idade da Terra, dão aproximadamente no 0,7 a 0,9 bilhões de anos.

Esqueçamos o "mundo de RNA", e moléculas colaborantes difusas que sejam. Pensemos em L.U.C.A.. o primeiro realmente ser vivo replicante com DNA, aquilo que alguns criacionistas chamam de "amebinha"*.

*Conheço alguns profissionais de Biologia que devem estar precisando de um remédio contra náuseas ao ler isto.

Onde raios este código/molécula tem de se tornar mais sofisticado que já é, com suas quatro letrinhas (bis na náusea)?

E se tornar-se mais sofisticado, vejam a bobagem divertida que é o filme ficção comédia "Evolução", com suas sete (?) bases, no que implica se até esta "complexação de alfabeto" - como se nosso alfabeto latino/anglosaxão tendesse ao cirílico - tivesse de ocorrer?

Onde raios ele se mantém "igual", como coisa se minhas simpáticas primas distantes planárias tivessem a mesma genética, MAIS COMPLEXA que a que herdei de meu pai e mãe, de minhas primas mais próximas ovelhas?

Entenderam a bobagem?

Repetindo, com mais calma:

1) O código genético se formou.
2) O código genético pode em suas bases se tornar ainda mais complexo, pouco interessa.
3) Mesmo como hoje simples, pode variar.

Fazendo uma analogia já feita em debate que muita farpa já produziu com notório criacionista, afirmar que o código tem de se tornar mais complexo é o mesmo que afirmar que o alfabeto de 26 letras ou menos que serviu para escrever o Oráculo de Bolso de Gracián, ou As Meditações de Marco Aurélio tenha de agora ter 2600 para escrever Dom Quixote ou ainda mais para Em Busca do Tempo Perdido, ou a A Comédia Humana.

Por outro lado, na mesma analogia, poucas letras permitem escrever o mais curto conto, como, para nossa ironia, “Dinossauro”, do guatemalteco Augusto Monterroso:

“Quando acordou, o dinossauro ainda estava lá”.

Que poderia ser comparado a mais simples bactéria, assim como também as colossais Kirk-Othmer ou Ullmann’s, enciclopédias de tecnologia química que torturam a minha vida profissional, que poderiam ser comparadas em tamanho a argentinossauros ou baleias azuis, ou ainda baobás ou sequóias, mas prefiro, em meio à fauna e flora enorme que é uma boa biblioteca, manter a analogia e comparar à genética das estúpidas ovelhas e atormentar macacos pelados que acham que são frutos de uma divindade por sopro do barro ou planejamento e que são geneticamente mais complexas, mesmo pastando tranquilas, para lembrar o gênio de Bach, que assim como outros gênios, tinha religiosidade muito mais nobre e mais honesta, e produziram mais coisas que prestem.

(9) Notemos que aqui o "cria" volta ao "blah 3 X" da migração dos animais, e curiosamente, se esparrama em embirrar com as pacatas iguanas, que muito serviram aquele senhor no Beagle.

Curiosamente, mais uma vez esquecendo os enormes problemas do dilúvio, lá estão as iguanas, e curiosamente, numa das massas de terra mais isoladas do planeta. Portanto, lá chegaram, e evoluíram. Curiosamente, se preocupam com as pequenas e até divertidas iguanas, e esquecem os maiores répteis hoje vivos, que estão por todo o planeta, em inúmeras formas, tamanhos e variações, e se retrocedermos, ainda em maiores formas e diversas configurações de cabeça e pernas (formas terrestres de patas altas são evidentes no registro fóssil), e para atormentar os criacionistas...

COM SISTEMA CÁRDIO-RESPIRATÓRIO MAIS SOFISTICADO QUE O SEU!

Logo, animais migram, mais uma vez, e variam, e diversificam-se.

E inclusive, após atravessar oceanos, ilha por ilha, estreito por estreito, tornam-se mais sofisticados em alguns pontos que o mais petulante dos macacos pelados, mesmo os construtores de templos destinados ao pó.

(10) Confesso que quando li este pseudo-argumento do "cria" cheguei a salivar de felicidade, ou teria sido o meu café num frio dia de chuva.

Não sou muito de abordar a questão de origem da vida e a sua organização pela argumentação da "emergência" dos sistemas multiparticulados, talvez por minha formação e experiência em síntese orgânica.

Dai-me ácido nítrico e sulfúrico, e um hidrocarboneto aromático, e vos encherei de exóticas moléculas!

Mas aqui, tratarei de emergência, e o farei, prometo de uma maneira cristalina, e nisto, já faço uma piada.

Concordo que na natureza círculos de pedra perfeitos não se formam, e nem usarei do covarde argumento que na natureza círculos não existem, euclidianamente falando.

Concordo também, que assim como é difícil encontrar um próximo, aparente círculo de pedras seja quase impossível, ainda mais difícil será encontrar um hexágono perfeito, até o limite do molecular, com ângulos de 120° e lados iguais medíveis até por micrômetros, ainda mais em formações diversas, com diversas direções de contrução, ainda mais em sólido sem determinadas orientações moleculares, sem plano de clivagem, muito menos cubos de outras nem mesmo moléculas, pois não existem isoladas, aliás, de substância usada em nossas cozinhas.





Ou ouro de determinados outros tolos (se procurarem bem, encontrarão inclusive místicos dodecaedros).



Aliás, nem precisa se recorrer a substâncias tão puras, basta o basalto.



A natureza em seu caos de equilíbrios dinâmicos, sempre em modificação e instabilidade, forma no tempo o exato, ainda que temporariamente.

Até prova em contrário, frase minha.

E destas organizações geométricas, para partir de uma mais que simples bactéria, chegar até as ovelhas, que são, repetimos, mais complexas que você, bastam as moléculas adequadas receberem energia do Sol durante tempo o suficiente e condições adequadas.

Mas como sou um filantropo, recomendo que o criacionista em questão pegue seu dinheiro, compre livros e os leia, e até compre para outros, poupa de humilhação, própria e de outros, assim como a proporcionada por muitos.

Aqui, para encerrar, parte de texto meu para um criacionista lusitano (sim, na Europa existem destas coisas), mais uma promessa/profecia, adaptada em parte de Thomas Henry Huxley, o "bulldog":

Mas poderão apresentar provas da ação de seu fantasmão providente, que é incapaz de lhes apresentar uma única prova de sua ação fantasiosa, estaremos eternamente em vigília. E DARWIN e sua genial percepção da natureza a ser idolatrado como gênio pelos séculos, e amparados em suas pernas, nós, com as solas de nossos céticos sapatos, sobre seus crédulos pescoços.

Um comentário:

Rodrigo disse...

Eu sei que ele não vai aparecer aqui pra ler mas Sr. Júnior, tente tirar seu ânus ignorante da cadeira e procure estudar um pouco de Biogeografia de Ilhas, te garanto que boa parte dessas suas dúvidas estúpidas serão respondidas (isso se você não for mais um cria "analfabeto funcional facultativo".